Acusado de corrupção, presidente do Comitê Olímpico do Japão deixará cargo

Acusado de corrupção, o presidente do Comitê Olímpico do Japão, Tsunekazu Takeda, anunciou nesta terça-feira, 19, que deixará o cargo em junho, quando termina o seu mandato à frente da entidade. Apesar do anúncio, o dirigente de 71 anos garante ser inocente das acusações que vem recebendo nos últimos meses.

Em reunião com o conselho de diretores do Comitê, Takeda fez o anúncio formal sobre sua saída daqui a três meses e garantiu que não tentará a reeleição. “Eu não acredito que tenha feito qualquer coisa ilegal. Me causa certa dor criar essas discussões, mas eu acredito que é minha responsabilidade exercer o meu mandato até o fim”, declarou.

Takeda é acusado por autoridades francesas de liderar uma suposta compra de votos em favor do Japão na disputa para sediar os Jogos Olímpicos de 2020. Na ocasião, ele ocupava o cargo de presidente da candidatura japonesa para receber o grande evento. A investigação é realizada pelos franceses há alguns anos. Em dezembro, acusaram formalmente Takeda.

“Eu não fiz nada de errado. Vou continuar a fazer o meu melhor para limpar o meu nome”, garantiu o dirigente japonês, que tem grande força política junto ao Comitê Olímpico Internacional. Membro do COI desde 2012, ele é o atual chefe da comissão de marketing da entidade. Quando renunciar ao seu cargo no comitê japonês, ele também perderá suas funções no COI.

No início do ano, logo após a acusação formal dos franceses, Takeda garantiu que não renunciaria. No entanto, a pressão aumentou nos últimos meses, principalmente em razão da maior proximidade dos Jogos – na semana passada, uma série de eventos comemorou a marca de 500 dias para o início das Olimpíadas. A cúpula da organização do evento quer se distanciar das acusações enfrentadas por Takeda.

“Eu peço desculpas por decepcionar a sociedade (por renunciar) a poucos meses dos Jogos. Me sinto mal sobre isso”, declarou o presidente do comitê japonês. Ele justificou sua saída ao afirmar que queria abrir caminho para uma “geração mais nova” liderar a entidade.

O mais cotado para assumir a presidência é Yasuhiro Yamashita, campeão olímpico no judô nos Jogos de Los Angeles-1984. Também está na briga Kozo Tashima presidente da Associação de Futebol do Japão. Ambos são integrantes do Conselho Executivo do Comitê Olímpico do Japão.

Investigação

A cidade de Tóquio foi escolhida para sediar a Olimpíada de 2020 em 2013, ao superar Madri e Istambul. A eleição está sob suspeita. Um dos pontos investigados é um pagamento feito antes do evento realizado em Buenos Aires, que terminou com voto dado à capital japonesa. O valor de 1,8 milhão de euros (cerca de 7,6 milhões de reais) foi transferido a uma empresa que teria ligação com o senegalês Papa Massata Diack, filho do então presidente da Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF), Lamine Diack, segundo o jornal Le Monde.

O dinheiro, que seria para a elaboração de dois relatórios, teria sido usado para subornar membros africanos do COI por intermédio de Diack, que fez campanha a favor de Tóquio. Takeda confirmou esses pagamentos, quando foi interrogado pela primeira vez em Tóquio, em fevereiro de 2017, mas não justificou a elaboração dos relatórios.

O dirigente japonês foi acusado após um novo interrogatório em 10 de dezembro. Segundo os investigadores, o dinheiro circulou por meio de uma empresa baseada em Cingapura, denominada Black Tidings, antes de chegar ao filho de Diack.

O primeiro pagamento, de quase 800 000 euros (3,4 milhões de reais), data de 30 de julho de 2013, e o segundo, de 1 milhão de euros (4,2 milhões de reais), de 28 de outubro desse mesmo ano, apenas dez dias antes da votação em Buenos Aires.

Tóquio ganhou no segundo turno de Istambul. A capital japonesa obteve 42 votos na primeira votação e 60 na segunda, frente aos 36 da cidade turca.

Fonte: veja.abril.com.br
Author: Lucas Mello

Comentários estão bloqueados.