Cidades

Acusados de fraude de R$ 26 milhões no Banco do Brasil tinham vida de luxo

Esquema liderado por morador do DF e ex-servidor da instituição financeira cobrava propina em operações para pagamento de débitos

Carros de luxo, vida de alto padrão, viagens e movimentação de moeda nacional e estrangeira. Esse era o estilo mantido pela maioria dos acusados de integrar um esquema fraudulento que causou rombo de R$ 26 milhões no Banco do Brasil. As investigações da Polícia Civil duraram cinco meses até resultar na prisão de 15 pessoas — duas seguem foragidas — e no cumprimento de 28 mandados de busca e apreensão. A Operação Crédito Viciado, da Divisão de Combate à Corrupção e aos Crimes contra a Administração Pública (Dicap), para desestruturar a quadrilha ocorreu ontem no Distrito Federal e em outras oito unidades da Federação.

Entre os envolvidos havia dois ex-servidores do Banco do Brasil e donos de 11 empresas terceirizadas que mantinham acordo com a instituição financeira para cobrar dívidas de clientes. A fraude acontecia da seguinte forma: quando os devedores quitavam os débitos com as agências, o banco pagava uma comissão automática para essas companhias.

Ocorre que, em alguns casos, os suspeitos faziam com que o sistema apresentasse erro, chamado de “recusa” na linguagem financeira, para poder repassar o dinheiro manualmente aos empresários. Assim, era entregue mais do que o valor da comissão.
Em contrapartida, o acordo era que os responsáveis dessas terceirizadas devolvessem aos servidores uma parte do dinheiro pago a mais como forma de propina. Policiais identificaram a movimentação de mais de R$ 15,7 milhões, bloqueados pela Justiça, mas acreditam que a fraude tenha gerado lucro de R$ 26 milhões aos envolvidos — dinheiro retirado do Banco do Brasil.

Ameaça a executivos

As investigações começaram em janeiro de 2019, após executivos do banco sofrerem ameaças por não renovar contratos com 117 terceirizadas de cobrança de dívidas. A intenção era de que o serviço de recuperação de débitos de clientes passasse a ser feito pela BB Tecnologia e Serviços (BBTS), mas funcionários e ex-servidores da instituição financeira começaram a passar informações internas para os autores das ameaças com objetivo de manter o contrato com as empresas de cobrança.
O banco, então, fez uma auditoria no pagamento das comissões às firmas e descobriu o esquema. Segundo o delegado responsável pela investigação, Wenderson Teles, ao suspeitar dos desvios, a instituição financeira demitiu o homem apontado como líder do esquema e cancelou os contratos com os envolvidos. “As ameaças aos executivos dos bancos foi comunicada à Polícia Civil e, a partir disso, fomos investigando, com a colaboração do banco”, explicou o titular da Dicap.
Em nota, o Banco do Brasil informou que “detectou os indícios de fraude por meio dos seus instrumentos de segurança” e que fez uma ocorrência à Polícia Civil. A instituição também respondeu que colabora com as investigações desde o início da operação.

Fonte
Correio Braziliense
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar