Concessionária do DF “desaparece” e clientes denunciam calotes

O “sumiço” de uma concessionária de grande porte da Cidade do Automóvel tem provocado dores de cabeça aos clientes da loja. Localizada na Quadra 15, a Wall Multimarcas coleciona reclamações e denúncias na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Como se não bastasse, na última terça-feira (22/1), a agência declarou autofalência junto ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), encerrando as atividades.

De acordo com os consumidores, a concessionária funcionava normalmente até segunda (21). Nesta quarta-feira (23), no entanto, todos os veículos haviam sido retirados pelos funcionários da empresa. Os clientes, agora, querem saber como serão ressarcidos.

No Reclame Aqui, a loja coleciona 17 queixas. Em uma delas, uma pessoa afirma que o pai foi enganado “por essa empresa maldita”. “Deixou o carro para vender, uma caminhonete. A mesma foi vendida e deram um prazo de 30 dias para ele receber o dinheiro. O prazo passou, e até agora não pagaram”, disse em mensagem postada em 6 de janeiro deste ano.

A denúncia é de Luís Bittencourt, 31 anos. Segundo ele, o pai, de 59, “foi passado para trás” por funcionários da loja. “Em 2016, ele comprou uma Toyota Hilux, e agora precisou vender o carro. Lá [na concessionária] avaliaram o veículo em R$ 78 mil e fizeram uma proposta de compra de R$ 70 mil. Meu pai precisava de dinheiro e aceitou.”

De acordo com Luís, o pai foi “coagido” a assinar o Documento Único de Transferência (Dut) “mesmo sem ver a cor do dinheiro”. “Ele chegou a questionar a vendedora, mas ela disse que a loja estava há 26 anos na praça e não daria um prejuízo de R$ 70 mil”, explicou o filho da vítima.

Após o episódio, o homem procurou a 8ª Delegacia de Polícia (Setor de Indústria e Abastecimento) para registrar o boletim de ocorrência. No local, descobriu que não era o único com reclamações contra a concessionária. Segundo o delegado-chefe da unidade, Rodrigo Bonach, oito inquéritos policiais foram instaurados contra a empresa.

Bonach estima que, até o fim deste mês, pelo menos 30 inquéritos devem ser abertos contra os proprietários do estabelecimento. “As denúncias existem desde agosto do ano passado e estão sendo investigadas. [Os donos] Já prestaram depoimento em alguns casos e serão indiciados por estelionato. Eles já foram indiciados por associação criminosa”, explica.

De acordo com o delegado, “ficou claro que [os proprietários] captavam os veículos sem condições de pagar”. “Eles induziam as pessoas a vender o veículo consignado, vendiam para terceiros de boa-fé e não repassavam o dinheiro. Em cada caso desses, nós temos pelo menos duas vítimas”, explicou Rodrigo.

Outro lado
Em comunicado publicado na internet, a Wall Multimarcas culpou o “agravamento da crise financeira que assola o país e em especial as atividades da empresa, a qual vem passando por grandes dificuldades financeiras, o que inviabilizou a continuidade de seu funcionamento”.

Na nota, a concessionária diz ter tentado “todas as formas de continuidade” para que pudesse cumprir com as obrigações existentes. “Contudo, algumas ações impossibilitaram que as atividades pudessem se sustentar até a quitação de todos os débitos.”

A empresa finalizou o texto informando aos clientes que ajuizou o pedido de autofalência ao TJDFT e todos os credores deverão se habilitar ao crédito para recebimento do juízo.

A reportagem tentou contato pelo telefone informado na nota, mas não obteve retorno até a última atualização deste texto.

Confira o comunicado na íntegra:


Fonte: Metropoles
Author: Victor Fuzeira

Comentários estão bloqueados.