Confira dicas para reconhecer quando a fome é apenas emocional

Fatores emocionais, como ansiedade, estresse, medo e tristeza, influenciam a rotina alimentar. Quem nunca devorou um pote de sorvete depois de uma briga com o namorado ou optou por comer pizza como recompensa após um dia caótico no trabalho? Nestes casos, a pessoa não está comendo por fome e sim buscando conforto na comida.

A nutricionista, especialista em obesidade, Gladia Bernardi, afirma que a melhor maneira de diferenciar a “fome” emocional da física é estar consciente sobre as reais necessidades do corpo. Confira algumas dicas para saber diferenciá-las:

  • Aparece em forma de desejos: Nesses casos, a “fome” não vai ser saciada por fruta ou algum alimento saudável como salada. As opções são doces ou alimentos ricos em gorduras saturadas.
  • Tenta preencher um vazio e sente culpa: A pessoa sente um vazio que não sabe explicar e aí recorre à comida, porque dá um alívio momentâneo. Na maioria das vezes, o mal-estar volta e com ele vem a culpa por ter comido demais.
  • Faz com que se coma por impulso: Na tentativa de saciar a “fome”, a pessoa age de forma impulsiva. “Quando vai ao supermercado nestes momentos, a pessoa passa pelo corredor de doces e comidas calóricas e compra tudo. Acha que encontrará alívio para o que está sentindo ou trará algum prazer para o cotidiano”, esclarece Gladia.

A especialista afirma que, frequentemente, esses comportamentos se repetem e criam padrões de compulsão alimentar. Ela fala desses assuntos no seu livro “Código Secreto do Emagrecimento”. “Em prol de uma vida saudável – mental e física -, é preciso que a pessoa substitua o hábito de comer para escapar das emoções por outras atividades, como exercícios físicos, ler um livro ou qualquer outro passatempo que seja prazeroso”, finaliza Gladia.

Fonte: Politicadistrital / AgenciaBrasilia / metropoles
Author: Paula Filizola

Comentários estão bloqueados.