Crítica | Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald traz de volta a magia de Harry Potter

Animais Fantásticos evolui seu universo e o de Harry Potter

Se há uma coisa que assusta qualquer fã, é quando pegam uma franquia já bem estabelecida e resolvem lançar algo novo. Aconteceu com Senhor dos Anéis, que viu o nascimento de O Hobbit anos mais tarde. Da mesma forma, Harry Potter viu o renascimento de seu universo nos cinemas com Animais Fantásticos e Onde Habitam. O filme conta histórias que se passaram muito antes de Harry Potter. Mas conseguiu encontrar seu próprio espaço muito rapidamente.

Agora em sua sequência, continuamos exatamente de onde paramos, alguns meses mais tarde. Grindelwald (Johnny Depp) está preso, mas não impossibilitado de planejar suas maldades. Sabendo disso, Newt Scamander e Dumbledore precisam parar o vilão.

História boa, mas uma gangorra de qualidade

Embora a história do primeiro Animais Fantásticos seja boa, o segundo filme passou muito perto de falhar. Talvez por se tratar de um filme que antecede uma grande batalha ou grandes revelações. Por diversas vezes parece que alguns personagens são pouco aproveitados. O vilão, Grindelwald, deixa no ar o que quer e parece que tudo, convenientemente, acaba dando certo para ele.

Mas no final das contas o núcleo da história, os objetivos de Grindelwald, as aparições de personagens clássicos em uma era nunca explorada no cinema acabam compensando. Mas o que estoura verdadeiramente as nossas mentes é o final. Sem dúvida o universo de Harry Potter não será mais o mesmo depois daquele final. Além de segurar fortemente a atenção do expectador para um provável terceiro filme.

Animais Fantásticos em menor escala

Sabemos que Newt Scamander é apaixonado por criaturas fantásticas e bizarras. Porém, diferente do primeiro filme, o foco passa longe dessas criaturas. Contudo, o roteiro faz um belo uso deles nos momentos chave da história. Assim, eles não somente existem dentro da narrativa, mas existem com um objetivo muito bem explorado durante o filme.

Dessa forma, a história foca nos humanos, mais precisamente nos humanos fantásticos, aqueles que possuem magias. As atuações são todas muito boas, com destaque para Eddie Redmayne e seu Newt Scamander cheio de trejeitos. Mas claro que Johnny Depp não foi mantido neste projeto à toa, mesmo com seus problemas pessoais. O ator continua fazendo um belo trabalho e entrega um vilão frio e calculista. Jude Law mostra um Dumbledore mais jovem e um pouco mais enérgico, o que é bem-vindo para a história. Além de sabermos e presenciarmos mais de sua origem.

Conclusão

De uma forma geral, Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald é um ótimo filme. A abertura do longa é um negócio inacreditável e suas cenas de ação são ótimas. O elenco está muito bem afiado e a história vai evoluindo muito bem. Afinal, em um universo com tantos filmes, conseguir surpreender com qualidade é um grande mérito. E é justamente isso que o novo Animais Fantásticos consegue fazer. Entre cenas com ótimos diálogos e humor, o saldo final é um filme mais denso, pesado e obscuro. Tudo muito bem balanceado. Mas talvez o maior destaque fique por conta de um uso maior da magia. Lembra ainda mais o universo de Harry Potter sem ser forçado. E isso é justamente o que todos os fãs esperavam!


O post Crítica | Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald traz de volta a magia de Harry Potter apareceu primeiro em Combo Infinito.

,
Fontes: comboinfinito
Author: Ariel Souza

Comentários estão bloqueados.