fbpx
Cidades

Davi Alcolumbre estima 45 dias para aprovar Previdência no Senado – GGN


Bolsonaro entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (direita), e Senado, Davi Alcolumbre (esquerda). Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN –Após ser submetida por uma nova aprovação no plenário da Câmara dos Deputados, o que deve acontecer ainda nesta semana, a reforma da Previdência irá para a análise no Senado, em agosto, depois do recesso parlamentar.

Diferentemente da Câmara, onde a Proposta de Emenda Constitucional foi analisada e debatida em duas comissões, antes de ir à plenário, na segunda casa o pacote será analisado apenas na Comissão de Constituição e Justiça, antes de ser votada por todos os senadores, também em dois turnos.

Segundo informações da Rádio Senado, na matéria de Hérica Christian, o presidente da segunda casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP) estipula um prazo de até 45 dias para os senadores votarem a reforma da Previdência.

A razão, é porque, segundo o parlamentar, a discussão já estaria bem amadurecida entre os senadores. No Senado, o relator da Proposta de Emenda à Constituição já foi escolhido, é Tasso Jereissati (PSDB-CE). Ele adiantou que mudanças na versão recebida da Câmara dos Deputados serão inseridas em uma proposta paralela, entre elas a inclusão de Estados e Municípios na reforma, para atingir também os servidores dessas regiões.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Dessa forma, Jereissati pretende garantir o andamento do trâmite da PEC da reforma na Casa, iniciando pela votação do que é consenso entre os senadores, e deixando para uma “PEC paralela” os pontos controversos.

“Existe uma tendência de inclusão de Estados e Municípios. Estamos trabalhando com a hipótese de fazer uma espécie de PEC paralela, para que não atrase a aprovação do coração do projeto, e incluir Estados e Municípios para que a reforma fique realmente completa”.

O líder do PT, senador Humberto Costa (PB), adiantou que a oposição tentará rejeitar ou tornar regras menos duras na PEC da reforma da Previdência.

“Na verdade seria uma outra proposta de emenda constitucional [a PEC paralela]. Isso aí é possível se fazer. Agora, eu acho muito cedo, mesmo o relator definindo esses caminhos, porque muita água vai rolar por baixo dessa ponte. Nós vamos ter muita discussão. A oposição aqui vai continuar trabalhando para a rejeição dessa proposta de reforma da Previdência”, completou.

Leia também:

Quanto vale uma aposentadoria capitalizada: o exemplo do Chile

Reforma da Previdência: brasileiro trabalhará mais e receberá menos

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assinee faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia Mais

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar