DF: faculdade é esvaziada após vazamento de produto químico

Alunos e funcionários do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), na 704/904 da Asa Sul, tiveram que deixar o prédio na tarde desta quinta-feira (21/2) após vazamento de ácido. Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil estão no local, que foi interditado. Por medida de segurança, as aulas noturnas acabaram suspensas.

Segundo um dos bombeiros que está no local, funcionários faziam o transporte de ácidos sulfúrico, bórico, entre outros, quando um dos frascos caiu e se quebrou. Os bombeiros dizem que o vazamento é de acido acético glacial.

O produto é conhecido por ser um ácido fraco, corrosivo, com vapores que causam irritação nos olhos, ardor no nariz e garganta, bem como congestão pulmonar. Em sua forma impura, é popularmente conhecido como vinagre. Quando está livre de água, é chamado de ácido acético glacial.

Após o vazamento, um funcionário da empresa que fazia o transporte do ácido teve queimadura de segundo grau na região lombar e perna, em menos de 5% do corpo. Ele foi transportado pelos bombeiros ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Estava consciente e orientado.

De acordo com o tenente Machado, do Corpo de Bombeiros, o prédio seguirá interditado para que a equipe especializada em produtos perigosos da corporação faça a neutralização da substância. Com isso, as aulas do período noturno serão canceladas.

Alunos e professores disseram que o produto químico estava sendo levado para um laboratório no subsolo do prédio, quando caiu na escada. Vídeo ao qual o Metrópoles teve acesso confirma essa informação. A substância é de cor preta. A remoção será feita pela empresa responsável pelo ácido, que já está no local. Por volta das 16h30, uma equipe da Defesa Civil chegou à faculdade.

Além do homem que teve queimaduras, testemunhas dizem que três pessoas sentiram náuseas. De acordo com o estudante Glauber Ancelmo, 20 anos, ele e os colegas de turma foram avisados por outro aluno sobre o vazamento. “Estava no laboratório de informática e vieram nos avisar. Não teve alarme, não teve nada”, garantiu. Patrícia Trindade, 23, disse que o cheiro era “insuportável”. “Mais forte que gás de cozinha. Disseram que um cano de gás estourou”, afirmou.

Daniel Ferreira/Metrópoles

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLES

Nota da UDF
Em nota, o Centro Universitário do Distrito Federal (UDF) confirmou que, por volta das 15h30, produtos químicos (ácido acético) foram derrubados no momento da sua entrega à instituição pelo fornecedor responsável pelo transporte. O incidente ocorreu na escada de acesso ao almoxarifado, localizado no subsolo do edifício-sede do UDF.

“As substâncias provocaram um forte odor no local, e o Corpo de Bombeiros foi acionado por medida de segurança”, informou a UDF. A instituição foi evacuada e o local do acidente interditado preventivamente para que seja feita a devida limpeza da área atingida. “Apenas o funcionário da empresa transportadora dos produtos teve contato com as substâncias. Ele foi atendido por equipe médica e teve leves queimaduras na perna (de segundo grau), mas já foi liberado e passa bem”, destacou o centro universitário.

A instituição informou ainda que, por medida de segurança, as aulas desta quinta (21/2) foram e permanecerão suspensas até a liberação pelo Corpo de Bombeiros. “Vale ressaltar que o UDF está tomando todas as providências necessárias, prestando suporte aos envolvidos, e informará a imprensa assim que as atividades forem normalizadas”, assinalou.

Daniel Ferreira/Metrópoles

DANIEL FERREIRA/METRÓPOLES

Susto no Ministério da Defesa
No dia 14 de fevereiro, o Ministério da Defesa, que fica no Bloco Q da Esplanada dos Ministérios, precisou ser esvaziado após um vazamento de gás no prédio. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi até o local para averiguar a situação.

De acordo com testemunhas, a evacuação começou às 15h10. O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, também estava presente no momento e teve que descer. No entanto, após 25 minutos, o Corpo de Bombeiros concluiu que não havia riscos, e todos puderam retornar ao prédio.

A corporação deslocou duas viaturas e nove militares para atender a ocorrência no Ministério da Defesa. O problema aconteceu no sexto andar, onde está sendo feita uma obra que teria atingido a canalização de gás. Houve um pequeno vazamento, o qual foi reparado pela própria empresa responsável pela reforma.

Os bombeiros tiveram que adotar procedimentos de segurança, como corte de energia, evacuação do prédio e monitoramento do reparo da canalização. Logo depois, foi feita uma ventilação no local e o público foi liberado para suas atividades normais. Não houve vítimas e ninguém precisou ser transportado ao hospital.

Fonte: Metrópoles

COMUNICADO À IMPRENSA 

 O Centro Universitário de Brasília (UDF) comunica que na tarde de ontem, 21 de fevereiro de 2019, por volta das 15h30, produtos químicos (ácido acético) foram derrubados no momento da sua entrega à Instituição pelo fornecedor responsável pelo transporte. O incidente ocorreu na escada de acesso ao almoxarifado, localizado no subsolo do Edifício Sede do UDF.

 As substâncias provocaram um forte odor no local e o Corpo de Bombeiros foi acionado por medidas de segurança. A instituição foi evacuada e o local do acidente interditado preventivamente para que fosse  feita a devida limpeza da área atingida. Apenas o funcionário da empresa transportadora dos produtos teve contato com as substâncias. Ele foi atendido por equipe médica e teve leves queimaduras na perna, mas já foi liberado e passa bem.

 Por medidas de segurança, as aulas de ontem (21/2) foram suspensas.

 O local já está liberado pelo Corpo de Bombeiros e as atividades do dia de hoje, 22 de fevereiro, seguem normais.

Comentários estão bloqueados.