Energéticos fazem mal? Conheça como o corpo reage a estas bebidas

Ricas em cafeína, as bebidas energéticas são muito populares, apesar de um tanto polêmicas. Os produtos prometem, em uma latinha, melhorar a concentração e a velocidade de reação, melhorar o bem estar, manter o cliente acordado e alerta e, ainda por cima, eliminar toxinas.

O número importante no rótulo do energético é a quantidade de cafeína: uma unidade contém 90 mg da substância, o mesmo de uma xícara de 60 ml de café expresso ou uma xícara e meia de chá preto. A dose máxima, segundo um estudo da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, é de 400 mg por dia. Portanto, é seguro consumir até quatro latas diariamente. O problema é que os energéticos não costumam ser a única fonte de cafeína por dia e o consumo associado a chocolates e café, por exemplo, podem extrapolar as quantidades permitidas.

Em excesso, a cafeína por causar insônia, batimentos acelerados, dor de estômago, delírios, tontura, vômito, diarreia, letargia, dificuldade para respirar, espasmos musculares e, em casos raros, até levar à morte.

“Não existe nenhum estudo que controle ou comprove danos no consumo de energéticos dentro do recomendado. Mas, claro, tudo o que é consumido em excesso faz mal. A taurina, que se fala muito, nem é estimulante e possui, no fim das contas, alguns benefícios para o organismo”, explica a nutricionista Fernanda Seiffer, da E4 Agência de Nutrição.

Ela conta que a taurina é um aminoácido produzido pelo próprio corpo e tem ação desintoxicante, antioxidante e ainda ajuda no funcionamento do coração. “As bebidas energéticas também têm diversas vitaminas do complexo B, que contribuem para o metabolismo e redução do cansaço e da fadiga”, afirma. A nutricionista esclarece que não há nenhuma substância na fórmula dos produtos que cause vício.

Energéticos com álcool
Um uso comum dos energéticos é associá-los a bebidas alcoólicas. O combo vodka com energético, segundo Fernanda, não possui contraindicações, a princípio. “A cafeína não interage com a substância, não há efeitos adversos”, afirma a nutricionista. O problema são as quantidades: em uma festa, é comum tomar mais de quatro latas de energético acompanhada de álcool.

Para Michelle Mendes, nutricionista funcional e oncológica da Aliança Instituto de Oncologia, alguns casos específicos podem apresentar reações mas, no geral, é preciso ficar de olho mesmo nas quantidades. “Depende muito do organismo, mas é importante não passar dos 400 mg de cafeína por dia. Outro ponto é que algumas pessoas não podem consumir energéticos: crianças, gestantes, hipertensos, pessoas com intolerâncias e problemas cardíacos devem evitar”, diz.

Fonte: Politicadistrital / AgenciaBrasilia / metropoles
Author: Juliana Contaifer

Comentários estão bloqueados.