Massacres em escolas que pararam o mundo

Massacres em escolas parecem ser os alvos preferidos dos terroristas. Talvez pelo nível de comoção e holofotes que o caso ganha pelo mundo. Alias, terroristas costumam gostar de aparecer por seu atos, mesmo que repugnantes.

Veja aqui alguns traços de personalidade que terroristas costumam ter.

No dia 13 de março de 2019 o Brasil foi notícia pelo mundo, infelizmente por uma tragédia. Dois jovens amigos, entraram atirando em uma escola estadual em São Paulo. Pelo menos seis pessoas morreram, sendo cinco delas crianças. Os atiradores se mataram depois.

Esse tipo de tragédia já chocou o mundo outras vezes. Pelo menos oito massacres em escolas aconteceram nos últimos 30 anos. Saiba o que fazer se estiver em uma ataque terrorista.

Os massacres em escolas que pararam o mundo

8. Creche Fabeltjesland (Bélgica, 23 de janeiro de 2009)

Kim De Gelder, de 20 anos invadiu um berçario em Dendermonde. O jovem esfaqueou 15 pessoas e matou três. Duas delas eram bebês de menos de um ano de idade, a outra era uma mulher de 54 anos que trabalhava no local.

Kim usava os cabelos vermelhos e uma maquiagem parecida com do personagem Coringa.

7. Escola Ikeda (Japão, 8 de junho de 2001)

Mamoru Takuma de 37 anos, invadiu uma escola na qual já tinha trabalhado. Com uma faca ele feriu 15 pessoas e matou 8. Todas as vítimas eram crianças de 7 a 8 anos. Após ser preso o homem confessou que queria ter entrado no local com gasolina, para ter conseguido matar mais pessoas.

6. École Polytechnique (Canadá, 6 de dezembro de 1989)

Marc Lepine, de 25 anos tinha um plano contra o feminismo. E o executou na Universidade de Montreal em uma sala de engenharia mecânica. Com um rifle semiautomático e uma faca de caça enfilerou 9 mulheres. E as executou dizendo: “Estou lutando contra o feminismo. Vocês são mulheres, vocês serão engenheiras. Vocês são um bando de feministas”.

Ao todo 18 mulheres foram feridas nos corredores da faculdade. Nove delas morreram. Após 20 minutos de horror ele se matou.

5. Massacre de Erfurt (26 de agosto de 2002)

 

Após ser expulso por falsificar documentos, Robert Steinhäuser de 19 anos voltou a escola. Agora seu objetivo era matar pessoas. Foram 17 mortos e 7 feridos. Um professor conseguiu para-lo encurralando-o em uma sala.

Após isso ele se matou.

4. Escola Sandy Hook (13 de dezembro de 2012)

Adam Lanza de apenas 20 anos, entrou em uma escola armado com quatro pistolas 9 milímetros. Fez 28 vítimas fatais, das quais 20 eram crianças entre seis e sete anos de idade. O rapaz se matou logo após o massacre.

3. Universidade Virginia Tech (16 de abril de 2007)

Cho Seung-hui era um estudante havia recebido advertências por perseguir duas colegas da faculdade. Após isso, matou dois estudantes no dormitório da faculdade. Em seguida, entrou no prédio de aulas, trancou todas as portas de saída e matou 32 pessoas. O jovem se matou assim que a polícia chegou.

2. Massacre de Realengo (7 de abril de 2011)

Wellington Menezes de Oliveira matou 12 adolescentes em uma escola Municipal na periferia do Rio de Janeiro. Sua intenção era imobilizar os meninos e matar as meninas.

O jovem deixou fotografias e cartas, que davam indícios de problemas psiquiátricos.

1. Columbine (20 de abril de 1999)

O caso mais famoso pelo mundo foi o de dois jovens que mataram 13 pessoas no Instituto Columbine, nos Estados Unidos. Eric Harris e Dylan Klebold compraram armas pela internet e atacaram a escola onde estudavam.

No fim do ataque eles se mataram. Foram 25 pessoas feridas no total. O caso inspirou o documentário Tiros em Columbine, de Michael Moore, e produções como o filme Elefante, de Gus Van Sant e o seriado American Horror Story.

Fonte: Super Abril

Imagens: Notícias ao minuto, Jetss, Super Abril

O post Massacres em escolas que pararam o mundo apareceu primeiro em Segredos do Mundo.

Fonte: Amenteemaravilhosa / Tudointeressante/ Gadoo / segredosdomundo.r7
Author: Marcela Fernandes

Comentários estão bloqueados.