O que acontece com a nossa pele quando ingerimos muito açúcar

Você segue à risca a rotina skincare recomendada pelo seu dermatologista, mas mesmo assim sente que os resultados não estão tão bons quanto o desejado? Pois saiba que o problema pode estar além dos produtos que utiliza. A alimentação também influencia na beleza da pele, e muita gente não sabe, mas o açúcar é um dos grandes vilões que trazem consequências negativas para a cútis a curto e longo prazo. Conversamos com duas médicas sobre o tema.

Curto prazo

Espinhas

Thinkstock/Getty Images

Que o chocolate causa espinhas todo mundo já ouviu pelo menos uma vez. O grande problema do doce tão amado está em suas altas concentrações de açúcar. “Ele sim pode piorar a oleosidade e, consequentemente, causar acne em pessoas com o problema. Até alimentos salgados em sabor, mas ricos em carboidratos, são prejudiciais”, explica a dermatologista Kédima Nassif, de São Paulo, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Isso ocorre porque os carboidratos são transformados em glicose no sangue (nada mais do que açúcar). Para controlar sua concentração no organismo, a insulina é produzida pelo pâncreas e liberada nos vasos sanguíneos, podendo se acumular nas glândulas sebáceas, aumentar a produção de sebo e gerar inflamações na pele.

Olheiras

Thinkstock/Getty Images

Já aconteceu de você acordar no dia seguinte do happy hour ou festa da empresa com olheiras mais escuras e inchadas do que o normal? Provavelmente foi por causa do álcool, dos carboidratos e dos açúcares em exagero, uma vez que eles possuem índices glicêmicos elevadíssimos. Para poder metabolizar toda a glicose ingerida em uma noite, o corpo precisa de muita água e acaba retendo tudo o que pode do líquido. As consequências são as já citadas pigmentação escura e as bolsinhas abaixo dos olhos.

E isso vale para o corpo como um todo. “Após um final de semana de comilança e muito doce, não é incomum o ganho de alguns quilos, mas não devido a gordura propriamente dita e sim pelo inchaço”, diz a cirurgiã plástica Beatriz Lassance, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, em São Paulo.

Longo prazo

Envelhecimento precoce

Quando falamos em efeitos a longo prazo, o grande problema para a pele causado pelo excesso de açúcar é um processo denominado glicação. Como já foi explicado, o consumo dele ou mesmo de outros alimentos de altos índices glicêmicos (que se transformam em glicose muito rapidamente no sangue) gera todo um esforço do corpo para equilibrar os níveis de glicemia dentro dos vasos sanguíneos. Há a liberação da insulina, por exemplo. Contudo, quando os níveis estão muito altos, outras enzimas são requisitadas para agilizar o processo, os radicais livres. “A presença dos radicais livres e a alta concentração de glicose no sangue fazem com que esta última reaja com as proteínas do corpo, gerando a glicação”, explica Beatriz Lassance.

E estudos já comprovaram que a glicação afeta a produção das fibras de colágeno e elastina, importantes para manter a firmeza da pele. “Ao sofrerem a glicação, o formato das moléculas de colágeno e elastina se alteram, e eles se tornam disfuncionais, prejudicando a textura da cútis e favorecendo sua flacidez. A glicação também promove o stress oxidativo cutâneo, aumentando manchas e o envelhecimento da pele”, diz Kédima Nassif.

Queloide e problemas de cicatrização

O excesso de radicais livres também pode danificar o DNA das células e provocar menor atividade celular, trazendo problemas para a reconstrução dos tecidos cutâneos. “Então a cicatrização fica mais lenta, a imunidade menor, e o metabolismo prejudicado. E quanto pior o metabolismo, menos eficaz será qualquer procedimento estético ou recuperação de cirurgias, por exemplo”, diz a cirurgiã.

Fonte: Metrópoles/ boaforma.abril/
Autor: Amanda Panteri

Comentários estão bloqueados.