fbpx
Cidades

Queda de Cintra divide opiniões no mercado financeiro


A demissão de Marcos Cintra da secretaria da Receita Federal divide opinião de analistas financeiros sobre seus efeitos na reforma tributária e na equipe econômica. Alguns dizem acreditar que a saída de um dos maiores defensores de uma nova CPMF possa destravar a reforma. Outros temem que o ministro da Economia, Paulo Guedes, siga com a tentativa de implementar o imposto sobre transações financeiras.

De acordo com reportagem daFolhadesta quinta-feira (12), a equipe do ministro não desistiu da proposta e seguirá com os estudos e calibragens de alíquotas do imposto.

“Resta saber se o ministro da economia, Paulo Guedes, seguirá defendendo a volta da CPMF e como irá adequar seu discurso em face à queda de Cintra. Além de Cintra, Guedes sempre foi um árduo defensor do retorno da CPMF “, afirma relatório da XP Investimentos.

A corretora também demonstra preocupação com o envolvimento do presidente Jair Bolsonaro (PSL) na equipe econômica, já que a decisão de exonerar Cintra partiu dele.

“A despeito de entendermos que a volta da CPMF não seria uma boa opção por se tratar de um imposto essencialmente regressivo, acreditamos que o envolvimento presidencial direto em decisões ministeriais não é saudável para a Economia e possui o potencial de contaminar o canal de formação de expectativas dos agentes de mercado”.

Também há a preocupação do mercado com o andamento da reforma Tributária, tida como a mais importante depois da nova Previdência.

“Paulo Guedes passou o mês de agosto articulando a favor do novo tributo. Tudo foi água abaixo. Agora, a apresentação da proposta governista deve tardar ainda mais. Guedes quer uma maneira de desonerar a folha de pagamento, mas os parlamentares já demonstraram que qualquer tributo, mesmo que tenha contrapartida, não será aceito. Sem a desoneração, não está claro o que o Executivo tem a contribuir para a reforma”, afirma relatório da Guide Investimentos.

Já a Wagner Investimentos aponta que a saída de Cintra pode acelerar a tramitação da reforma, especialmente com expectativa de que o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, fique responsável pela articulação.

A Bolsa brasileira não teve oscilações com a queda de Cintra durante o pregão de quarta (11) e fechou em alta de 0,4%. 

Nesta quinta, o Ibovespa segue em alta, na esteira da valorização das principais Bolsas globais após o Banco Central Europeu (BCE) cortar, mais uma vez, os juros na União Europeia, como forma de estímulo à economia.

Na manhã desta quinta, o BCE cortou a taxa de juros em 0,1 ponto percentual, para uma mínima recorde de -0,5%. O órgão prometeu que as taxas permaneceriam baixas por mais tempo e disse que reiniciaria as compras de títulos a um ritmo de € 20 bilhões por mês. ​

Por volta das 14h47, a Bolsa sobe 1%, a 104.4473 pontos, maior patamar em dois meses. O dólar chegou a recuar para R$ 4,028 pela manhã, mas, no momento, é cotado a R$ 4,056.

“A sinalização do Bolsonaro contra a CPMF, que é um imposto impopular, é muito positiva, mas o mercado segue em compasso de espera para ver os desdobramentos da demissão de Cintra. Agora, Guedes é a vidraça da reforma tributária, a qual ele deve continuar a defender nos mesmo moldes”, afirma Thomaz Fortes, gestor de fundos da Warren.

Leia Mais

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar