Técnica que deu golpe de R$ 364 mil em idosa será julgada por conselho

A técnica em enfermagem Fabiane do Nascimento Chaves, 36 anos, acusada de dar um golpe de R$ 364 mil em uma aposentada, de 74 anos, será julgada em processo ético-disciplinar do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), no dia 29 de março. Ela é acusada de ter usado o cartão de débito da vítima, de quem era cuidadora, para pagar uma viagem de férias para dez pessoas com destino a Salvador (BA), entre outras contas. A mulher também teria reformado e mobiliado o próprio apartamento com o dinheiro da idosa.

O apartamento da vítima, em Águas Claras, foi adaptado com equipamentos hospitalares e Fabiane acabou contratada para cuidar da mulher de 74 anos em um sistema de homecare. A vítima é aposentada do Senado Federal e pagava em torno de R$ 20 mil pera custear os aparelhos e as duas técnicas de enfermagem que cuidavam dela.

A idosa, que sofre de enfisema pulmonar e paralisia nas duas pernas, começou a desconfiar da atitude da profissional em dezembro do ano passado, quando duas folhas do talão de cheques desapareceram. Em seguida, ela percebeu que R$ 14 mil sumiram da conta-corrente. Após dar falta do dinheiro, a família da aposentada conseguiu reaver os valores.

Golpe sustentava luxo
Fabiane descobriu a senha numérica do cartão de débito da vítima, que tinha limite diário de R$ 3 mil. A técnica em enfermagem comprou bolsas da grife italiana Gucci, que custaram R$ 18 mil, dois iPhones 7 — de R$ 3,5 mil cada —, pagou viagens a Salvador (BA) para 10 pessoas e ainda mobiliou e fez reformas em sua casa. Tudo ao longo de apenas quatro meses. “Até uma adega com vinhos importados ela montou dentro de casa, sempre com o dinheiro da minha sogra”, contou Johnson Rodrigues, genro da aposentada.

Quando tentava usar o cartão para comprar um terceiro iPhone 7, Fabiane teve dificuldades, já que a família havia desconfiado das grandes retiradas feitas na conta da aposentada. Indignada, a técnica em enfermagem ligou para o dono da loja onde e se fez passar pela filha da vítima.

A ligação acabou sendo gravada pelo comerciante, que já havia enviado os outros dois celulares para Fabiane. A entrega ocorreu enquanto a mulher fazia um bronzeamento artificial em uma clínica especializada no Guará. O tratamento estético custou R$ 12,3 mil, pagos com dinheiro da vítima, dizem os familiares.

Segundo o comerciante, ele decidiu gravar a conversa porque desconfiou de que havia alguma coisa errada, pois “ninguém compra três iPhones assim em tão pouco tempo”.

Fonte: Metropoles
Author: Fernando Caixeta

Comentários estão bloqueados.